Escolha uma Página

Os benefícios flexíveis estão em alta! Muitas empresas, mais preocupadas em seguir as tendências do que entender o que realmente faz sentido para seu cenário, querem transformar seu pacote de benefícios num pacote flexível, que ofereça opções variadas para o funcionário.

É natural que, com o avanço da tecnologia e dos processos, todos nós desejamos que nossos departamentos acompanhem as últimas tendências.

O problema é que nem toda solução serve para toda empresa. Mesmo assim, percebemos uma insistência em muitos gestores em contratarem soluções “miraculosas”, sem a maturidade suficiente para tirar proveito das mesmas.

Plano de saúde no pacote de benefícios flexíveis

Pouca gente sabe que colocar o plano de saúde no programa de benefícios flexíveis pode ser um tiro no próprio pé.

Quando o recurso para o pacote de benefícios flexíveis é limitado, o melhor a se fazer é procurar os melhores fornecedores de benefícios e abrir uma quantidade mais limitada de opções para o funcionário. Isso vai, consequentemente, impactar nos custos.

As empresas que já possuem experiência com programas robustos de benefícios flexíveis já entenderam que, para incluir o benefício saúde no pacote, é necessário abrir poucas opções de mudança. Se houver alguma opção, é oferecido um produto específico e com algumas restrições e limitações de acesso.

Isso ocorre porque quando você dá ao funcionário a opção de aderir a um plano mais básico ou a um mais arrojado, de acordo com seu número de pontos, provavelmente você levará esse funcionário a fazer essa escolha de upgrade apenas quando tiver alguma complicação de saúde, alguma cirurgia ou tratamento de alto custo, o que caracteriza como um alto risco de sinistro iminente.

Quando isso acontece, ele entra na categoria de seleção de risco, tão temida pelas operadoras e medicinas de grupo. Essa é a opção, na mão do funcionário, de contratar um produto de saúde somente quando lhe convém, ou quando encontra um risco iminente.

Isso significa que as operadoras podem recusar o contrato ou os custos para sua empresa serão mais altos.

A complexidade na gestão dos benefícios flex

Existe uma tendência entre os RHs em buscarem o modelo de benefícios flexíveis. No entanto, a maioria não entende a complexidade e o custo de gerir um programa desses que faça real sentido para os funcionários. Muitos, inclusive, nem sequer oferecem um pacote de benefícios relevante hoje, pois não conhecem as necessidades dos seus funcionários.

Numa situação dessas, é necessário dar um passo para trás, ouvir os funcionários, pensar em alternativas sustentáveis financeiramente e que não sejam tão trabalhosas para o RH.

Gerenciar bem os benefícios básicos, principalmente o plano de saúde, pode gerar receita para contratação de outros serviços que irão fortalecer o menu da empresa! Pensar em um seguro de vida com subsídio academia, ou um plano de saúde com coleta de exames em casa, podem impactar muito na rotina dos funcionários.

Então, antes de fazer um grande investimento ou mudança, não sei deixe levar pelo que está em alta no LinkedIn. Entenda o que, de fato, vai trazer mais qualidade de vida para seus funcionários e conversar com os objetivos da sua empresa.

O post Benefícios Flexíveis – Vale a pena incluir o plano de saúde? apareceu primeiro em 4Health Consultoria em Benefícios de saúde para empresas.